Como a maioria das pessoas não dispõem de recursos para comprar um imóvel à vista, é muito comum se recorrer a financiamentos. Nesse procedimento, a amortização de parcelas é um assunto que deve ser inteiramente compreendido pelo consumidor.

Em um financiamento, os recursos são disponibilizados à pessoa para pagamento do bem à vista. Após isso, o valor principal deverá ser devolvido ao banco acrescido dos juros acordados em contrato com a instituição financeira.

No post de hoje, explicaremos um pouco mais sobre a amortização de um financiamento e o ajudaremos a escolher a melhor opção para você! Confira!

O que é amortização?

A amortização são os pagamentos feitos ao credor pelo dinheiro que se pega emprestado, por exemplo, em um financiamento. À medida que as parcelas vão sendo pagas, o saldo devedor é amortizado, reduzindo assim a dívida total.

Além do valor da dívida, quando alguém pega um empréstimo junto a instituições financeiras, existe a cobrança de juros e podem ser cobradas taxas e encargos estabelecidos em cláusulas contratuais.

Para melhor entender o conceito de amortização, é necessário saber como são formadas as prestações. Em cada parcela, existe um valor principal (que é referente ao dinheiro que você pegou emprestado) e os juros (que corresponde ao valor cobrado pelo banco por ter lhe emprestado o dinheiro).

Sendo assim, uma prestação é composta pela amortização e pelos juros, totalizando o valor mensal que deverá ser pago à instituição financeira.

Principais sistemas de amortização de parcelas

Existem duas principais tabelas para quitação da dívida contraída, e cada uma delas têm uma dinâmica diferente para composição do valor das parcelas. Isso ocorre porque, dependendo da tabela de amortização utilizada, o valor individual de cada parcela pode ser fixo ou variável.

As modalidades de financiamento mais utilizadas no mercado são o Sistema Price e o Sistema de Amortizações Constantes (SAC), e cada uma dessas têm uma dinâmica para formação do valor das parcelas.

Tabela Price

No Sistema Price de Amortização, o devedor realiza o pagamento da dívida em prestações de valor fixo. Entretanto, à medida que os pagamentos são feitos, o valor das amortizações vai aumentando e o valor dos juros vai sendo reduzido.

Para se ter uma ideia mais clara sobre esse sistema, vejamos a tabela abaixo e como é formado o valor final de cada parcela.

  • Valor financiado: R$ 100.000,00;

  • Sem entrada;

  • Número de prestações: 240 ou 20 anos;

  • Taxa de Juros: 0,70 ao mês ou 8,4 ao ano.

Simulação – Tabela Price

 

 

No. Parcela

Valor da prestação

Valor da amortização

Valor dos juros

Saldo devedor

0

R$ 100.000,00

1

R$ 861,50

R$ 161,50

R$ 700,00

R$ 99,838,50

2

R$ 861,50

R$ 162, 64

R$ 698,87

R$ 99.675,86

3

R$ 861,50

R$ 163,77

R$ 687,73

R$ 99.512,09

150

R$ 861,50

R$ 456, 64

R$ 404,86

R$ 57.380,88

240

R$ 861,50

R$ 855,52

R$ 5,99

R$ 0,00

 

Tabela SAC

O Sistema de Amortização Constante (SAC) é caracterizado pela manutenção do valor das amortizações durante todo o período de pagamento. Contudo, o valor pago em juros é reduzido à medida que as prestações vão sendo quitadas.

Dessa forma, o valor das prestações não é fixo e o valor de cada parcela diminui ao longo do financiamento.

  • Valor financiado: R$ 100.000,00;

  • Sem entrada;

  • Número de prestações: 240 ou 20 anos;

  • Taxa de Juros: 0,70 ao mês ou 8,4 ao ano.

Simulação – Tabela SAC

         

No. Parcela

Valor da prestação

Valor da amortização

Valor dos juros

Saldo devedor

0

R$ 100.000,00

1

R$ 1.091,08

R$ 416,67

R$ 674,41

R$ 99.583,33

2

R$ 1.088,27

R$ 416,67

R$ 671,60

R$ 99.166,67

3

R$ 1.085,46

R$ 416,67

R$ 668,79

R$ 98.750,00

150

R$ 672,38

R$ 416,67

R$ 255,71

R$ 37.500,00

240

R$ 419,48

R$ 416,67

R$ 2,81

R$ 0,00

Reduzindo o tempo e valor das parcelas

Existem duas possibilidades para o consumidor que deseja fazer a amortização de parcelas da sua dívida: reduzir o prazo de pagamento do financiamento ou reduzir o valor de cada parcela a ser paga.

É importante destacar que o saldo devedor, que se refere ao valor que é amortizado, está relacionado apenas à quantia que você pegou emprestado. Então, no nosso exemplo, o saldo devedor inicial é de apenas 100 mil reais, sem incluir os juros que serão cobrados pela instituição. Mas, então, qual a opção mais vantajosa?

Prazo de pagamento

A opção de reduzir o prazo do financiamento é interessante para quem consegue arcar com o financiamento sem pesar o bolso. Na medida em que se faz a amortização de parcelas, o seu saldo devedor fica menor e a quitação do imóvel ocorre mais rápido.

Além disso, como os juros incidem sobre o valor da dívida, ao pagar a instituição antes do previsto, não são cobrados juros sobre a quantia amortizada.

Valor das parcelas

No caso de as prestações apertarem o orçamento, talvez seja mais interessante optar por reduzir o valor de cada parcela. Afinal, se não é capaz de pagar regularmente o financiamento e cumprir com as demais despesas pessoais, você pode acabar se endividando e prejudicando o seu orçamento.

Vale a pena usar o FGTS?

Uma boa alternativa para amortização de parcelas é a utilização do FGTS. Os recursos depositados neste fundo rendem apenas 3% ao ano, que é menor do que a inflação. Isso significa que o dinheiro desvaloriza à medida que o tempo passa e você perde poder de compra.

Os recursos do fundo podem ser utilizados para amortizar a dívida a cada dois anos. Nesse caso, existem duas possibilidades: amortizar a dívida ou quitar parcelas vencidas ou que ainda vão vencer.

Na primeira alternativa, o ponto positivo é que, amortizando o saldo devedor, você reduz o tempo de financiamento e ainda paga menos juros.

No segundo caso, você paga o valor das parcelas normalmente, incluindo juros e encargos. A vantagem é que, em momentos de dificuldades financeiras, antecipar parcelas o ajuda a aliviar o orçamento durante os meses que não precisará pagar nada.

Por fim, antes de contratar um financiamento, é muito importante saber como acontece a amortização de parcelas e pesquisar as melhores taxas e condições do mercado. Caso tenha recursos adicionais e resolva pagar um pouco da dívida antecipadamente, analise se a melhor opção para o seu caso é reduzir o prazo de pagamento ou o valor das parcelas.

Lembre-se de que, caso o valor das parcelas caiba no seu bolso, a melhor alternativa é fazer a amortização para redução do prazo de financiamento. Por outro lado, se as prestações apertam o seu orçamento, talvez seja melhor optar pela redução do valor das parcelas.

Gostou das nossas dicas e quer ficar por dentro de todas as nossas novidades? Então, curta a nossa página no Facebook e não perca mais nenhum conteúdo!

Deixe uma Resposta